Greve à apatia

Quando Greta Thunberg fez greve pela primeira vez numa sexta-feira de agosto de 2018 à porta do parlamento sueco, não poderia ter imaginado a repercussão que teria esse ato que culminou na grande greve mundial pelo clima da última sexta-feira, 15 de março.

Foram mais de 100 países e 900 cidades. Estiveram envolvidos milhões de estudantes de todo o Planeta. Em Portugal aconteceram manifestações em perto de 30 locais. No Algarve, juntaram-se em Faro centenas de jovens altamente motivados e unidos por objetivos claros: alertar para os riscos do aquecimento global e exigir a quem decide mais justiça climática e ações concretas para o ambiente. Assim, fica claro que uma visão ecológica na política é a forma mais determinada de salvaguardar a nossa sobrevivência e garantir um futuro.

Nesse sentido o PAN – Pessoas – Animais – Natureza tem estado do lado certo. Sabemos que toda a vida está interligada. Esta visão holística é consciente do papel que cada um tem na sociedade e da responsabilidade individual nas comunidades. Isso reflete-se na forma como fazemos política, tanto a nível nacional, como local. Foi assim quando denunciámos o desmatamento de uma zona de pinhal em Gambelas, o habitat natural do Chamaeleo Chamaeleon, espécie que só existe a sul do país e que se encontra em risco de extinção. Também o foi na defesa das árvores de Faro, onde a Assembleia Municipal (AM) aprovou uma recomendação anti-arboricida, pelo fim das podas agressivas, prontamente rejeitada pela Câmara Municipal de Faro, ao afirmar que as podas irão
continuar.

A criação da Comissão de Proteção Ambiental representa ainda um marco histórico: é a primeira vez que a AM de Faro tem uma estrutura com estas características.

Espero e apelo, que a Comissão seja um espaço de eleição para o debate municipal suprapartidário e para a concretização de políticas ao nível dos desafios da proteção da natureza para o bem comum de todos. Há muito a fazer.

Voltando a Greta Thunberg, a jovem ativista vegetariana, que está agora nomeada ao Nobel da Paz. Recentemente encontrei uma foto sua ao lado de Jane Goodall, primatóloga e especialista mundial em conservação da Natureza. Se o Planeta tivesse uma mãe certamente seria Jane por tudo o que fez e continua a desenvolver. É uma simples troca de olhares, mas transparece o quanto dizem tanto uma à outra. Quando todos tivermos este nível de ligação respeitosa com o próximo, o mundo será certamente um lugar melhor. E para ajudar a que o sonho se concretize, lembro uma frase de Jane Goodall: «O maior perigo para o nosso futuro é a apatia». Então, ativemo-nos.

Categorias
Opinião


Relacionado com: