Loulé revisita Manuel Laginha no «Documento que se segue»

A sessão tem apresentação de Ricardo Costa Agarez.

O Arquivo Municipal de Loulé recebe mais uma sessão de «O Documento que se segue» no próximo sábado, 13 de abril, às 16h00. Desta vez o tema será «Manuel Laginha, Arquiteto e Urbanista: Obras, Projetos e Arquivos», e a apresentação estará a cargo de Ricardo Costa Agarez.

O arquiteto Manuel Laginha (1919-1985) operou, ao longo do seu percurso de quatro décadas, na charneira entre dois tempos, entre dois mundos. Por um lado, trabalhou entre o Portugal rural e o urbano, em modernização e concentração demográfica. Por outro, foi participante destacado na renovação da arquitetura portuguesa no pós-guerra, quando um novo entendimento da tradição intersectou os ensinamentos do Movimento Moderno.

Num período fecundo de maturidade e transição, Laginha fundou a sua visão da contemporaneidade nas constantes históricas da relação verdadeira entre o interior e o exterior, a forma e o conteúdo, a arquitetura e o tempo.

O apresentador da sessão, Ricardo Costa Agarez, é arquiteto (FAUTL, 1996) e historiador da arquitetura (Mestre FCSH-UNL 2004, Ph.D. University College London, 2013, RIBA President’s Award for Research 2013).

Professor auxiliar no Departamento de Arquitetura da Universidade de Évora, foi co-comissário da exposição Arte e Arquitetura entre Lisboa e Bagdad (Fundação Calouste Gulbenkian, 2018-19) e publicou, entre outros, «Habitação: Cem Anos de Políticas Públicas em Portugal, 1918-2018» (2018; edição e coautoria), «Algarve Building: Modernism, Regionalism and Architecture in the South of Portugal, 1925-1965» (2016) e «O Moderno Revisitado: Arquitectura de Habitação Multifamiliar em Lisboa nos Anos 1950» (2009).

Esta iniciativa tem entrada livre.

Categorias
Cultura


Relacionado com: