Quinta do Lago tem água distinguida a nível nacional

A água distribuída em baixa pela Infraquinta é a primeira em Portugal a ser distinguida com certificado de qualidade. Mais de 4000 análises asseguram que esta é a água da torneira mais controlada e monitorizada e uma das mais seguras para consumo do país.
oznor

Os números e os resultados não enganam. Depois de 310 análises anuais, 10 vezes mais testes do que o habitual, em mais de 60 pontos de recolha e mais de 4 mil parâmetros que analisam a qualidade da água desde a origem até à torneira, não há dúvidas sobre a alta qualidade da água fornecida em baixa pela Quinta do Lago. Esta é a primeira vez, que uma entidade de distribuição em baixa completa com sucesso o criterioso processo de certificação do Produto Água para Consumo Humano, segundo a Recomendação nº2/2011 da ERSAR.

A cerimónia formal de entrega da certificação aconteceu na sexta-feira, dia 28 de julho, e contou com a presença de Carlos Martins, secretário de Estado do Ambiente, que elogiou as boas práticas e controlo, e aproveitou o momento para lançar um repto: «depois da Águas do Algarve ser a primeira entidade certificada a nível nacional de distribuição de água em alta, e a Quinta do Lago a primeira a ser certificada pela sua distribuição de água em baixa, porque não ser o Algarve a primeira região certificada do país?», afinal, o intuito é replicar a boa prática nos outros concelhos algarvios e até noutras regiões país.

Vítor Aleixo, presidente da Câmara de Loulé, mostrou o seu agrado pelo concelho ser pioneiro nesta certificação e referiu que o município está atento «para que possamos gerir com qualidade e com sentido de economia e racionalidade os meios públicos». O modelo deverá por isso ser replicado «nas outras Infras» como a Infralobo e a Inframoura, e em todo o concelho louletano, até porque há que aproveitar todo o «investimento feito em planeamento e know-how já alcançado».

cof

Sob o repto lançado pelo secretário de Estado, em declarações ao «barlavento» Vítor Aleixo considerou o «objetivo ainda longínquo porque para atingir a certificação da água em baixa é necessário remodelar numa percentagem elevadíssima das infraestruturas de distribuição de água atualmente existentes».

«No concelho de Loulé existem cerca de 25 a 40 por cento de perdas de água na rede. Isto representa um investimento de muitos milhões de euros. Formalizar um projeto assim, neste momento, é ainda um sonho. Há que trabalhar para o realizar, mas até lá há uma série de passos intermédios que precisam de ter traçados».

Miguel Piedade, presidente do Conselho de Administração da InfraQuinta, mostrou-se incansável nos agradecimentos aos funcionários que tornaram a certificação possível e reforçou ainda que a rede de abastecimento da Quinta do Lago, com cerca de 70 quilómetros de condutas, é desde o inicio do ano «é a primeira empresa de distribuição de água em baixa com menores perdas na rede». «Quando pensávamos que seria muito difícil melhorar o índice de desperdício que, em 2015 se situava em 6,3 por cento, verificamos que em 2016, através de todo o trabalho de monitorização e tecnologia de gestão inteligente, desceu para 4,6 por cento».

Categorias
Regional


Relacionado com: