Liderança de João Fernandes abre novo ciclo na Região de Turismo do Algarve

Novo presidente da RTA vai focar a gestão na requalificação da oferta turística. Aproximação às empresas do sector, captação de financiamentos e uma estratégia de promoção inovadora também estão na agenda para os próximos cinco anos.

Autarcas, deputados, membros do governo e representantes das mais diversas entidades públicas e privadas da região reuniram-se em peso para assistir à tomada de posse da comissão executiva da Região de Turismo do Algarve (RTA) eleita para o mandato de 2018/2023, que teve lugar no auditório da Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve, em Faro, na sexta-feira, 27 de julho. No uso da palavra, João Fernandes, 44 anos, o novo presidente da RTA deu a conhecer algumas das linhas gerais do seu mandato. «O Algarve disputa aquele que é o espaço internacional mais competitivo do turismo à escala global, o Mediterrâneo. Após um período em que a instabilidade de alguns dos nossos concorrentes nos trouxe excecionais fluxos turísticos, a atual situação, com a conjugação da falência de companhias aéreas que nos ligavam a importantes mercados emissores, o processo do Brexit, a reemergência da Turquia, Tunísia e do Egito, ou mesmo um ano de atípicas condições climatéricas, configuram uma conjuntura a que importa atender com medidas concretas», contextualizou.

Luís Graça e João Fernandes.

Para já está a avançar uma concertação com a Associação de Turismo do Algarve (ATA) «para uma posição comum na definição do novo modelo de promoção e comercialização externa». O documento «balizará, nos próximos três anos, a capacidade para o reforço e a captação de novas rotas aéreas, a relação a estabelecer com os operadores turísticos internacionais e a promoção da marca Algarve além-fronteiras».

João Fernandes sublinhou a parceria «fundamental» com Aeroporto de Faro para reforçar a atual ligação a Lisboa, e por conseguinte, aos voos de longa distância que servem a capital. A qualificação dos recursos humanos é outra preocupação, com o novo presidente a reunir, em breve, com o IEFP «para a análise e preparação de propostas para as questões do mercado de emprego, uma matéria fundamental para o sector e que terá mais tarde que envolver os sindicatos, as associações empresariais», entre outras entidades. «É importante unir esforços, no sentido de atrair e de fixar pessoas na região, mas também de atender à necessária melhoria das condições dos trabalhadores e à igualmente necessária flexibilidade de atividades cuja procura oscila sazonalmente», sublinhou.

«Estamos empenhados em trabalhar com os principais operadores de formação e educação na concertação de planos de formação regionais e na melhoria da qualidade da formação para o sector», revelou ainda. A captação de investimento será uma premissa prioritária para os próximos cinco anos, «para requalificar a oferta e trazer inovação nos produtos e nos serviços», vontade que está alinhada com a recém-apresentada plataforma de oportunidades do Turismo de Portugal.

«Estamos a trabalhar com a APEMIP [Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal] na constituição de um portfólio do edificado devoluto ou em estado degradado em zonas turísticas, para que com o Turismo de Portugal possamos divulgá-lo junto de potenciais investidores», revelou.

No prelo, está ainda a «criação de um Observatório de Turismo Sustentável e para o progressivo esforço na criação de um Destino Inteligente», em parceria com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional e a Universidade do Algarve.

Por fim, Fernandes quer uma revisão da «legislação da época balnear, cuja aplicação não se adequa à realidade do Algarve» e reforçar laços «com as Associações de Estrangeiros Residentes, colaborando de forma mais efetiva no seu bem-estar, mas também não desperdiçando a vantagem de promover o destino por aqueles que o conhecem, às vezes melhor do que nós, e que dispõem de uma rede de familiares e amigos de influência direta nos nossos principais mercados emissores».

João Fernandes será acompanhado pela atual presidente do conselho de administração da Infralobo Fátima Catarina, eleita vice-presidente da RTA, e pelo diretor-geral do hotel Cerro Mar e vice-presidente da Associação dos Industriais Hoteleiros e Similares do Algarve (AIHSA) Nuno Monteiro. Elidérico Viegas, que é presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) assume a presidência da mesa da assembleia-geral da RTA e Isolete Correia, diretora-geral da Marina de Vilamoura, foi empossada secretária da mesa.

Além de Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo, estiveram presentes na cerimónia Miguel Freitas, secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural e José Apolinário, secretário de Estado das Pescas.

Um «obrigado do fundo do coração» a Desidério Silva

Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo, fez questão de abrir o seu discurso na tomada de posse da Comissão Executiva da RTA, na sexta-feira, 27 de julho, em Faro, com uma especial dedicatória ao ex-presidente daquela entidade. «Quero deixar uma palavra de agradecimento muito grande, do fundo do coração, para o Desidério, por toda a cumplicidade, lealdade e trabalho em conjunto que fizemos. Tive sempre um parceiro na primeira fila a alinhar em tudo o que queríamos fazer. Por estes anos que passámos juntos, só posso agradecer. Muito obrigado, Desidério, a região deve-te muito», disse.

Governo abre linha de 30 milhões para requalificar a oferta da região

«Esta nova equipa, antes de tomar posse, fez o trabalho de casa. Foi ter connosco e assumiu a necessidade de requalificação e reposicionamento do destino Algarve», disse Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo. A governante anunciou o lançamento de «de uma linha, só para o Algarve, para a captação de investimento no valor de 30 milhões de euros». «Assumimos que aqui tem que haver um incentivo especial, porque há dificuldade ao nível de acesso a fundos comunitários, e portanto 20 por cento do financiamento pode converter-se em não reembolsável», anunciou. A verba apoiará projetos turísticos novos ou a requalificação dos já existentes, no Alojamento Local, hostels, empreendimentos, restaurantes e empresas ligadas ao sector.

Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo.

Algarve deve acarinhar «ambiente de inovação» para não ficar para trás

Para Ana Mendes Godinho, «as entidades regionais de turismo têm de ser os pivots fortes que mobilizam o território, que dinamizam a interação com o IEFP, com a cultura, com os transportes, com a oferta turística, com as CCDRs, com os empresários, para de uma forma agressiva, não se deixar ficar para trás. É o grande repto do Algarve. É o momento de antecipar o futuro», disse. «As novas gerações já não quererem aquilo que nós queremos. Temos de testar já novos produtos, pensar no que vamos fazer. E para isso temos de ter aqui aceleração [empresarial], start-ups, um ambiente de inovação, mobilizadores de novos projetos. Vamos transformar o sonho de que o Algarve pode ser o destino mais sustentável do mundo, em realidade», disse. «Não há impossíveis. Não adianta só dizer mal do que os outros fazem. Interessa participar, exigir e construir em conjunto. Juntos fazemos melhor, e fazemos acontecer».

Empresários querem uma RTA «mais profissional e menos política»

«Mais do que continuar a alimentar erros sucessivos do passado que se repetem, temos de ser capazes de corresponder eficazmente às dinâmicas turísticas do presente, conscientes que teremos de fazer mais e melhor no futuro. Não podemos continuar eternamente ao sabor das conjunturas internacionais, se são favoráveis ou não, sem mostrar capacidade efetiva para as influenciar a nosso favor», avisou no seu discurso Elidérico Viegas, responsável pela Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) e novo presidente da mesa da assembleia geral da RTA. «Precisamos de uma Região de Turismo mais ousada, mais profissionalizada, com maior capacidade técnica e menos política», acrescentou ainda, pedindo mais envolvimento dos empresários nas decisões futuras daquela entidade.

Elidérico Viegas, responsável pela Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) e novo presidente da mesa da assembleia geral da RTA.

Captar «talentos» e novos nichos de mercado

João Fernandes considera que «a inovação faz-se com talentos» e por isso «queremos potenciar os jovens da região» formados pela Universidade do Algarve, assim como «atrair talentos de outras paragens, seja para o turismo ou para outras áreas direta ou indiretamente relacionadas com o sector, como as tecnologias da informação e da comunicação». Em declarações ao «barlavento», avançou que a RTA irá apostar em « meios de promoção menos tradicionais». «Uma das coisas que teremos mesmo de fazer é rejuvenescer, do ponto de vista dos conteúdos e da promoção do destino, e também, da comercialização. É lógico que não podemos descurar a promoção tradicional, mas temos também de explorar oportunidades em que não estamos diretamente a concorrer». No Algarve, «o turismo sustentável será provavelmente a aposta mais lógica porque não poderemos nunca concorrer com destinos como a Turquia, Tunísia ou Egito pelo preço e com modelos semelhantes. Teremos de apostar em lógicas de valor acrescentado, em que a qualidade percecionada nos posiciona no segmento de procura mais alto. Temos de ser capazes de captar os investidores que têm esta consciência», considerou. Por fim, «teremos de aproveitar a oportunidade que o processo de descentralização representará, para reforçar a colaboração com a CCDR e com os municípios», no que toca à mobilidade, à nova regulamentação aplicável ao Alojamento Local ou à definição das já anunciadas taxas municipais turísticas.

Categorias
Regional


Relacionado com: