João Vasconcelos lança o seu primeiro livro

O lançamento está agendado para domingo, dia 20 de setembro, pelas 16h00, no auditório do Museu Municipal de Portimão.

João Vasconcelos, vereador da Câmara Municipal de Portimão e cabeça-de-lista pelo Bloco de Esquerda (BE) pelo Algarve, apresenta «O 18 de Janeiro de 1934», o seu primeiro livro.

A obra, de 500 páginas, baseia-se na sua tese de mestrado. Tem prefácio do académico António Ventura, que se deslocará a Portimão, para fazer a apresentação do livro editado pela Arandis Editora, projecto editorial algarvio.

Tal como o título sugere, o livro aborda os acontecimentos históricos de 18 de janeiro de 1934, efeméride que marca a revolta proletária da Marinha Grande, a qual teve reflexos um pouco por todo o país.

João Vasconcelos, a biografia do autor

É professor de História em Portimão, de onde é natural. Licenciado em História e Mestre em História Contemporânea pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Desde 2010 tem sido um dos principais dinamizadores e porta-voz da Comissão de Utentes da Via do Infante (CUVI), na luta contra as portagens.

Em 2013 foi eleito vereador na Câmara Municipal de Portimão. Em 2005 já tinha sido eleito para a Assembleia Municipal deste concelho.

Com uma larga experiência política, social e sindical, tem vindo a participar e dinamizar vários coletivos de mobilização social sobre os mais variados assuntos no Algarve, entre os quais as manifestações contra a troika, os movimentos em defesa do Sistema Nacional de Saúde (SNS) na região, as lutas sindicais no seio dos professores, tendo pertencido à direção do Sindicato dos Professores da Zona Sul e ao Conselho Nacional da Federação Nacional dos Professores (FENPROF).

Participou nas lutas contra a Taxa Municipal de Proteção Civil em Portimão, no movimento «Je Suis Ilhéu» e na luta «Acorrentados por uma vida Melhor», em defesa dos salários em atraso. É dirigente nacional e distrital do Bloco de Esquerda.

A nível científico, além da tese de mestrado que agora se publica, é autor de vários artigos e estudos no âmbito da História local e regional e de cariz político e sindical, tendo participado em inúmeros congressos, conferências, seminários e colóquios.

Alguns desses estudos são: «João Bonança – Subsídio para um Estudo Crítico do seu Pensamento e Obra», 1990; «Regionalização Administrativa do Continente», 1997; «A Resistência Operária ao Estado-Novo em 1934 – Análise de um Processo» (co-autor) e «Património em Portimão, Que opção: Preservar ou Destruir?»(co-autor),1999; «O 18 de Janeiro de 1934 – Anarqueirada ou Acção de Massas?», 2001; «A Comuna de Paris»,2003; «Fascismo, Crise e Revolta Operária no Algarve nos Anos 30 – Interpretações, Polémicas e Controvérsias», 2004; «O Dia que abalou Salazar», 2004; «18 de Janeiro de 1934», 2004; «A Bomba Atómica 60 anos depois», 2005; «A Greve Geral Revolucionária» de 1934 em Silves e Portimão e os “safanões dados a tempo”», 2007.

Categorias
Política


Relacionado com:

  • A Raça Bovina Algarvia: mito ou realidade?

    Quem no Algarve viveu da agricultura antes dos anos 1970, lembra-se certamente de bovinos característicos da região, utilizados para trabalho e carne, e até leite para populações locais. Poderá...
  • Cinefilia

    Não haverá, porventura, ninguém que num dado momento da sua vida não tenha sonhado com o mundo do cinema, fazer parte do mesmo! No que, pessoalmente, me toca, a...
  • Joaquim

    Hoje, o céu está maior. Mais uma estrela brilha por lá. Partiu sereno, tranquilo e com a dignidade com que sempre viveu. Desde muito novo, imaginou e criou. Viu...
  • Turismo: um modelo à procura da centralização?

    A pergunta é legítima e tem plena razão de ser. Nos últimos anos, Lisboa procurou encontrar no turismo uma espécie de galinha dos ovos d’ouro, algo que, com muito...