Desidério Silva recandidata-se à RTA mas terá concorrência

PS quer chegar a consenso com os presidentes de Câmara Municipal socialistas para avançar também com um candidato ao lugar.

O atual presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA) Desidério Silva anunciou, na semana passada, que vai apresentar uma lista à presidência daquela entidade para o mandato 2018-2023. Após cinco anos e meio naquela função, Desidério quer continuar o trabalho que tem feito até à data, estando as eleições marcadas para 11 de maio. «Neste momento sou candidato, estou disponível para entendimentos e tenho agora tempo para organizar a minha lista», afirmou em declarações ao «barlavento».

«Vou por mim, vou pelo Algarve, vou candidatar-me, porque quero continuar a consolidar os resultados dos últimos cinco anos e o trabalho em prol da região», justificou, acrescentando que não tem conhecimento de uma oposição na corrida a esta liderança.

No entanto, o «barlavento» apurou junto de Luís Graça, presidente da Federação do Partido Socialista (PS) Algarve, que vai haver um candidato socialista. À margem do Congresso Regional daquele partido, no sábado, 24 de março, o presidente da Federação afirmou que haverá uma reunião com os dez presidentes de Câmara Municipal socialistas, que já está marcada, para chegar a consenso numa candidatura. O PS quer também que esse nome reúna o apoio do sector hoteleiro e privados.

Já circulam, inclusive, alguns nomes nos bastidores, como Paulo Neves, antigo presidente da RTA, João Fernandes, atual vice-presidente, ou Fernando Anastácio, que poderia deixar o cargo de deputado para se candidatar à RTA. Luís Graça não confirma nenhum nome, referindo apenas que nada está decidido do lado do PS. Deixa ainda qualquer informação para depois dessa reunião com os autarcas socialistas. A única certeza é que haverá um nome socialista, com apoio de autarcas e hoteleiros.

Paulo Neves, como justificou ao «barlavento», não fecha a porta à possibilidade caso haja intenção de trabalhar em prol do turismo e numa missão de união em torno de um objetivo comum, sem que seja apenas por ser uma oposição ao atual candidato.

Para eleger um novo líder da RTA há um total de 33 votos do colégio eleitoral. Conforme explicou Desidério Silva são 16 votos dos presidentes das Câmaras Municipais, 14 das associações empresariais da região, dois dos sindicatos (CGTP e UGT), e um da CCDR. O atual presidente Desidério Silva acredita que conta com um forte apoio dos votantes e já está a preparar terreno, até porque qualquer outra lista só poderá ser entregue até 23 de abril, visto as eleições estarem agendadas para 11 de maio.

Fernando Anastácio e Paulo Neves.

De facto, no anúncio da recandidatura, Desidério Silva aponta o caminho que quer traçar nos próximos anos, caso seja reeleito. Um dos desafios a que se propõe é manter a batalha contra a sazonalidade, mas também enfrentar a retoma de outros destinos turísticos que fazem concorrência ao Algarve. Por esta razão considera que é necessário «investir cada vez mais na qualificação do produto». Para o concretizar são necessárias verbas, que, neste momento, são muito «poucas para o que é necessário», argumentou. «Há que procurar exigir mais para a promoção e é necessário que se perceba que o investimento não é despesa», disse.

Em jeito de balanço, considera que conseguiu consolidar a posição do Algarve enquanto principal destino nacional, apostando na diversificação da oferta turística da região, com vista à sustentabilidade do destino durante todo o ano.

«Um dos primeiros projetos foi elaborar um Plano de Marketing Estratégico que definiu como prioridade uma diversificação da oferta turística, com o destino a apostar em produtos complementares como o turismo de natureza, com os passeios de bicicletas, as caminhadas, a observação das aves, o turismo desportivo, náutico, a gastronomia e vinhos, o touring ou o hipismo», enumerou.

Desidério Silva refere ainda que chega a esta etapa com o «sentimento de dever cumprido», assinalando que, ao longo destes anos, o turismo tem vindo a melhorar. No entanto, apesar de todos os recordes do turismo do Algarve, há ainda um percurso a fazer. O social-democrata ficará, porém, associado a anos de bons ventos no turismo algarvio.

«No ano passado, a região ultrapassou os 19 milhões de dormidas, num aumento de 33 por cento face ao início de mandato. Em cinco anos, registou-se ainda mais de 76 por cento dos proveitos totais da hotelaria algarvia e mais 54 por cento de passageiros processados pelo Aeroporto de Faro. A sazonalidade tem vindo a ser esbatida de forma gradual e consistente. As dormidas em época baixa aumentaram 45 por cento, entre 2012 e 2017», evidenciou Desidério Silva.

Agora, o recandidato volta a contar com um nome de peso como mandatário. André Jordan, conhecido pelo contributo ativo que tem dado para o turismo do Algarve e considerada uma das personalidades mais influentes do turismo a nível mundial entendeu atribuir a confiança a Desidério Silva, sendo o mandatário da lista, tal como já o tinha feito em 2013.

Categorias
Política


Relacionado com: