Dia Internacional do Voluntariado em Saúde

Desde 1985, a Organização das Nações Unidas (ONU) institui o dia 5 de dezembro como o dia internacional do voluntário. O objetivo da efeméride é fazer com que, ao redor do mundo, sejam promovidas ações de voluntariado em todas as esferas da sociedade. É fundamental que cada voluntário saiba que, como ele, há milhões de pessoas no mundo dando a sua própria contribuição para o alcance das metas traçadas pela ONU.

Ao analisar os motivos que mobilizam homens e mulheres ao trabalho voluntário descobre-se, entre muitas, duas componentes fundamentais: a pessoal, a doação do tempo e esforço como resposta a uma inquietação interior e a tomada de consciência dos problemas ao se confrontarem com a realidade, o que o leva ao comprometimento por uma causa.

Altruísmo e solidariedade são valores morais socialmente constituídos vistos como virtudes do indivíduo. Do ponto de vista religioso, acredita-se que a prática do bem salva a alma; numa perspetiva social e política, pressupõe-se que a prática de tais valores zelará pela manutenção da ordem social e pelo progresso do homem. Contudo, não se pode esquecer o potencial transformador que essas atitudes representam para o crescimento interior do próprio indivíduo.

Ao doarem a sua energia e a sua generosidade, os voluntários respondem a um impulso básico: o desejo de ajudar, de colaborar, de compartilhar alegrias, de aliviar sofrimentos, de compaixão e de solidariedade. Altruísmo e responsabilidade são sentimentos profundamente humanos.

Ao preocuparmo-nos com o outro, ao mobilizarmo-nos por causas, estabelecemos laços de solidariedade e confiança mútua, fazemos de cada um de nós um ser humano melhor. O voluntariado transforma e faz crescer. O voluntário rouba tempo ao tempo que não tem.

Na nossa unidade hospitalar de Portimão, os cento e três (103) voluntários, de Janeiro a Outubro, fizeram 19719 horas de trabalho voluntário pelos diversos serviços do hospital e têm consciência de que o sofrimento do outro, quer o verbalize ou não, é segredo com tudo o que tem de sagrado.

Partilho convosco a experiência mais resgatadora de todas: o voluntariado, a entreajuda e o estar ao serviço dos outros com crises muito maiores que as minhas. Ouso citar o poeta «Não perguntes à vida o que ela te pode dar, pergunta a ti próprio o que podes dar à vida».

No espírito de solidariedade que nos anima, aproveito para informar que, no próximo dia 9 de dezembro do corrente ano, no anfiteatro do Museu de Portimão, pelas 17 horas, vai ocorrer uma Gala Solidária organizada pela nossa Associação Elos de Esperança – Voluntariado Hospitalar -, com o objetivo de angariar, em troca do bilhete, bolachas Maria e integrais, sumos, águas e chás para serem oferecidos aos doentes que se deslocam ao hospital para as consultas externas e exames complementares, muitos dos quais vêm de bem longe.

Neste dia, dos muitos dias importantes para nós, vimos, através desta mensagem, expressar a nossa gratidão a todos os que, de alguma forma, colaboram e tornam possível a realização do nosso sonho, a realização das atividades executadas no âmbito da nossa missão.

Opinião de Maria Fernanda Cabral Teixeira | Presidente da Associação Elos de Esperança

Categorias
Opinião


Relacionado com: