O que é a Biologia?

A Biologia é uma ciência, a ciência que estuda a vida. Há uns anos a Ordem dos Biólogos criou uma imagem, que estampou em T-shirts que se tornaram muito populares, representando uma sequência de DNA com as suas bases A, C, G, T, mas pelo meio dessas letras, surge a frase «O Biólogo Trabalha toda a vida».

Nessa imagem estão também representados organismos muito diversos, desde bactérias a mamíferos, desde aves a insectos, animais e plantas marinhos e terrestres, dando um duplo significado à frase, não querendo esta significar que o biólogo trabalha durante toda a sua vida, mas sim que os biólogos, no seu conjunto, trabalham, estudam e investigam todas as formas de vida, desde os organismos mais simples aos mais complexos.

Todavia, a biologia não se debruça apenas sobre a vida dos seres vivos. Na verdade, o objecto de estudo da biologia é muito vasto e vai desde as moléculas mais simples, do papel dos elementos mais relevantes da matéria viva como o Carbono, o Azoto e o Hidrogénio (para referir apenas os mais abundantes), passando depois para a química da vida (Bioquímica), para o estudo da célula e dos seus organitos, dos tecidos, órgãos, sistemas, organismos até à abordagem eventualmente mais completa das interações entre os seres vivos e o ambiente, a Ecologia.

Basta pensarmos nos inúmeros ramos da biologia (Citologia, Genética, Zoologia, Botânica, Etologia, Ecologia, etc.) e nas áreas de fronteira em que a biologia estabelece ligações com outras áreas científicas (Bioquímica, Biofísica, Biomatemática, Bioinformática, Bioengenharia, Bioarqueologia, etc.) para percebermos a transversalidade da biologia, uma ciência há muito habituada a quebrar essas fronteiras entre as áreas do saber e a estabelecer ligações de multidisciplinariedade e transdisciplinaridade.

A Biologia é uma ciência absolutamente transversal a todo o conhecimento e a todas as áreas da nossa vida. Na Saúde, a biologia está presente na elaboração de novas e mais precisas análises clínicas e testes genéticos e nos princípios celulares e embrionários da reprodução medicamente assistida; na Justiça, a biologia está presente nas ciências forenses, largamente baseadas em técnicas de análises de DNA; na Economia as empresas Biotech são uma das áreas mais promissoras de negócio e empregabilidade e todas têm uma forte componente biológica associada à vertente de Engenharia; no Ambiente, a área porventura de maior visibilidade dos biólogos, a Biologia é o garante da conservação da Natureza, da preservação da biodiversidade e, numa temática que hoje se reveste da maior importância, daquilo que urge fazer para mitigar os efeitos das alterações climáticas. É por tudo isso que é importante ter sólidas bases de biologia, para que como cidadãos possamos avaliar verdadeiramente as propostas políticas em matéria de ambiente ou os impactos que novas descobertas poderão ter para a nossa saúde, para o nosso modo de vida.

Embora a imagem mais estereotipada de um biólogo seja o chamado “biólogo da bota”, que nos habituámos a ver nos programas sobre a natureza, de binóculos na mão a observar o voo das aves, ou o comportamento de um predador, cada vez mais reconhecemos o papel imprescindível do chamado “biólogo da bata”, aquele que trabalha arduamente nos laboratórios, na investigação científica criando conhecimento que pode mais tarde ser transferido para os mercados criando riqueza e postos de trabalho, mas principalmente ajudando a que os cidadãos tenham uma melhor qualidade de vida. Não é por acaso que nos últimos anos inúmeros biólogos foram galardoados com o Prémio Nobel da Medicina e Fisiologia, tendo acontecido novamente em 2017 com três investigadores (Michael W. Young, Michael Rosbash e Jeffrey C. Hall)

A Biologia é uma disciplina que faz parte da escolaridade obrigatória, se for essa a escolha dos alunos, até ao 12º ano. E isso é extraordinariamente importante porque a biologia ajuda a entender os fenómenos químicos, biológicos e até físicos que se passam no nosso corpo e no ambiente tornando-nos cidadãos mais informados e permitindo-nos fazer escolhas mais fundamentadas.

É na disciplina de Biologia que os nossos jovens aprendem como podem ter olhos azuis quando ambos os pais têm olhos castanhos, o que se passa durante o ciclo menstrual, como é que os peixes conseguem respirar debaixo de água, como são produzidos os antibióticos a partir de microrganismos, o que é um parque nacional e o que são zonas protegidas, qual o papel do pâncreas e dos rins no nosso corpo…ou mesmo entender porque acordamos sempre com mau hálito.

Mas também é a biologia que nos ensina o que são as marés vermelhas nos oceanos, como podemos reduzir o problema crescente dos resíduos, como a Biotecnologia nos proporciona melhores e mais rápidos métodos de diagnóstico clínico ou melhores compostos para medicamentos, ou ainda como podemos melhorar as plantas que utilizamos para a nossa alimentação.

Os britânicos têm uma expressão muito curiosa que diz que «A vida é curta, mas é muito larga». Assim é a Biologia, na vastidão de temas que abarca. Não se surpreenda por isso se amanhã encontrar um biólogo num passeio turístico a explicar tudo sobre aves ou golfinhos; no laboratório a realizar as suas análises clínicas ou a fazer o teste do pezinho ao seu filho; a receber um prémio de investigação; a ensinar o seu filho na escola ou na Universidade ou numa empresa a desenvolver um novo fármaco. Confie neles: São biólogos!

Artigo de José Matos, Bastonário da Ordem dos Biólogos, publicado ao abrigo do projeto Ciência na Imprensa Regional – Ciência Viva.

Categorias
Ciência


Relacionado com: