Tribunal de Loulé decide que petrolíferas não podem iniciar prospeção ao largo de Aljezur

Como é de conhecimento público, a Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP) interpôs uma Providência Cautelar no Tribunal de Loulé. O processo tem decorrido e foi hoje, segunda-feira, 13 de agosto, conhecida a decisão judicial.

De acordo com Rosa Guedes, porta voz da PALP, o tribunal decidiu suspender o Título de Utilização Privativa do Espaço Marítimo (TUPEM) para prospeção que havia sido atribuída à ENI/GALP.

Desta forma, e por via legal, está impedido o prosseguimento de quaisquer trabalhos de prospeção ou execução da mesma ao largo de Aljezur.

«Valeu a pena o esforço de tantos cidadãos e entidades, pois esta decisão beneficia, sem dúvida o nosso país. Vamos continuar a trabalhar para que a exploração de petróleo em Portugal não venha a acontecer», garante Rosa Guedes.

Categorias
Destaque


Relacionado com: