Helicóptero médio e três brigadas reforçam o combate ao incêndio de Monchique

Vitor Vaz Pinto e Jorge Botelho, esta manhã, durante a conferência de imprensa no heliporto de Loulé.

A Comissão Distrital de Proteção Civil (CDPC) de Faro, reuniu hoje, pela terceira vez, desde que foi declarado o estado de alerta especial de nível vermelho, do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro (SIOPS), para o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), onde o principal objetivo foi o acompanhamento da situação, neste âmbito, no Algarve.

Para esta reunião, foram convidados os presidentes das Câmaras Municipais dos municípios afetados pelo incêndio, nomeadamente, Monchique, Portimão e Silves, bem como o presidente da Câmara Municipal de Loulé, cujo município se encontra na área de interesse do teatro de operações.

O Comandante Operacional Distrital (CODIS), membro desta Comissão, deu a conhecer a atividade operacional regional, no âmbito do DECIR, bem como as medidas operacionais de antecipação implementadas na região, as quais «são ajustadas, a cada momento, em função das previsões».

Atendendo ao «elevado empenhamento dos meios dos corpos de bombeiros no incêndio de Monchique, e como medida de reposição da capacidade de Ataque Inicial (ATI), a futuras ignições, ontem, foram projetados para o Algarve, adicionalmente, três brigadas de combate a incêndios (que já se encontram pré posicionadas) e um helicóptero bombardeiro médio, para ATI, a operar a partir do Centro de Meios Aéreos de Loulé.

Após auscultação do CODIS, a Comissão Distrital de Proteção Civil deliberou reiterar a solidariedade a todas as pessoas afetadas, de qualquer forma, por este incêndio; reiterar o reconhecimento do trabalho de todos os agentes de proteção civil e entidades cooperantes, empenhadas no incêndio de Monchique, Portimão e Silves, bem como a sua total disponibilidade; reiterar total confiança no Dispositivo de combate e proteção civil empenhado no terreno; reiterar a confiança no Sistema de Proteção Civil Regional, no envolvimento dos municípios e demais agentes de Proteção Civil e «transmitir que o Algarve continua a ser uma região segura, para residentes e para turistas».

Categorias
Destaque


Relacionado com: