Faleceu José Louro

Faleceu hoje, sexta-feira, 10 de agosto, ao princípio da tarde, no Hospital, em Faro, José Louro, segundo confirmou ao «barlavento» Luís Vicente, diretor artístico da ACTA – A Companhia de Teatro do Algarve, vítima de doença prolongada.

O corpo vai estar em câmara ardente no sábado, dia 11, na Igreja do Pé da Cruz, e no domingo, dia 12, durante a manhã, no foyer do Teatro das Figuras em Faro. O funeral sai às 15 horas para o cemitério Novo.

No domingo, 11 de dezembro de 2016, a Direção Regional de Cultura do Algarve entregou a José Louro o prémio Maria Veleda, numa homenagem à sua vida e obra, no Teatro Lethes, em Faro.

Na altura, Rogério Bacalhau, presidente da Câmara Municipal de Faro, apesar de não ter passado pela sala de aula do professor, quando frequentou o Liceu da capital algarvia, foi «marcado para a vida futura» por uma amizade que ainda perdura.

«José Louro é um homem profundamente generoso e o Lethes muito lhe deve. É profundamente significativo que esta entrega se faça aqui, num espaço que ajudou a erguer das cinzas, num tempo em que o futuro desta magnífica sala parecia seriamente ameaçado», sublinhou o autarca.

«Homem de ideias, de letras e de muitas e boas conversas, reconheço que a paixão é a pedra de toque do seu percurso. Louro é alguém que gosta tanto do que faz. E que raro é vê-lo desgostoso ou desiludido, mesmo que no seu âmago, por diversas vezes, pudesse sentir o sabor amargo da injustiça e do esquecimento. Tudo nele nos inspira conhecimento. Enquanto encenador, muitos são os atores que lhe devem as suas carreiras artísticas. E como professor, muito haveria a dizer. Um homem de afetos que marcou todos aqueles com quem se cruzou», sublinhou.

«Obrigado, parabéns pelo prémio e sobretudo parabéns por seres quem és. Faro, a sua cidade, celebrará sempre a sua obra e a sua pessoa», prometeu Rogério Bacalhau.

Na ocasião, Alexandra Gonçalves, diretora regional de Cultura do Algarve lembrou «também eu fui aluna de língua portuguesa do professor José Louro e também eu possuo afáveis memórias do seu poder de encantamento para os textos literários do grandes autores portugueses. O poder de comunicação, a fala pausada, a capacidade de reflexão deixaram marcas em várias gerações e isso está aqui bem presente hoje. Ninguém ficava indiferente às suas aulas, transmitindo uma profunda sabedoria, com uma particular paixão aquando da partilha de conhecimento sobre Fernando Pessoa. Palavras como o encenador, o pedagogo, o semeador, o amigo, surgem sempre que falamos de José Louro», considerou antes de lhe dedicar o poema «Uns, com os olhos postos no passado», de Ricardo Reis.

Do percurso de José Louro destaca-se a criação e direção artística do SINCERA (Grupo de Teatro da Universidade do Algarve), de que foi fundador em 1990, bem como a criação da Companhia de Teatro do Algarve – ACTA. Esteve ainda como responsável da programação do Teatro Lethes, em 2001, e do Teatro das Figuras, entre 2006 e 2008.

A equipa do «barlavento» endereça sentidas condolências à família enlutada.

Direção Regional de Cultura do Algarve emite nota de pesar

É com enorme pesar que a Direção Regional de Cultura do Algarve recebeu a notícia do falecimento do Prof. José Louro ocorrido esta sexta-feira. O percurso de vida, bem como a sua participação cívica e cultural foram um relevante testemunho que deixará em todos os que com ele conviveram, e com ele interagiram, um sentimento de tristeza que só será superado pelo legado que nos deixa.

A ação e intervenção no âmbito do ensino, mas também da juventude e do associativismo, mobilizou jovens e marcou a história do teatro no Algarve, tornando-se numa referência inquestionável da educação pela arte na região. O seu papel enquanto programador no Teatro Lethes e, posteriormente, no Teatro Municipal de Faro foi outra das tarefas que desempenhou e onde também deixou a sua marca para o desenvolvimento cultural do Algarve.

A atribuição do Prémio Maria Veleda em 2016, por esta Direção Regional de Cultura do Algarve, confirmou o reconhecimento pelos pares do seu papel como Homem da Cultura pelo seu percurso cultural e cívico onde foi protagonista com intervenções particularmente relevantes e inovadoras para a Cultura da região.

O Algarve presta desta forma o seu reconhecimento público a José Louro, uma grande personalidade da cultura algarvia, considerando que o seu contributo cultural e o legado que nos deixa é inquestionável.
Aos familiares e amigos apresentamos as nossas sinceras condolências.

Universidade do Algarve manifesta pesar pelo falecimento de José Louro

O Reitor da Universidade do Algarve, Professor Doutor Paulo Águas, vem, em nome de toda a comunidade académica, manifestar publicamente o mais profundo pesar pelo falecimento do Professor José Louro e endereçar à família e aos amigos as mais sinceras e sentidas condolências. A Instituição solidariza-se com este momento de tristeza, decretando três dias de luto académico.

Professor, encenador, programador cultural, figura ímpar do teatro e da cultura, José Louro esteve na génese de várias companhias de teatro na região e estabeleceu ligações com muitas mais e com várias gerações. O Sin Cera, Grupo de Teatro da Universidade do Algarve, e ACTA, A Companhia de Teatro do Algarve, são apenas dois dos exemplos de companhias teatrais fundadas por si.

Passou pela programação do Teatro Lethes e do Teatro Municipal de Faro onde, mais uma vez, deixou a sua marca.

Em 2016 foi recebeu o prémio Regional «Maria Veleda», uma iniciativa da Direção Regional de Cultura do Algarve, que visa «destacar e reconhecer a atividade cultural de personalidades algarvias, protagonistas de intervenções particularmente relevantes e inovadoras na Região».

O Professor José Luís Louro, nascido em 25 de setembro de 1933, encontrava-se aposentado desde 1998, tendo pertencido ao quadro de várias instituições de ensino, a última das quais a Escola Secundária João de Deus, em Faro. Na sua atividade pedagógica lecionou ainda na Escola do Magistério de Faro, Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve e na Escola Superior de Enfermagem de Faro.

Os resultados do seu enorme trabalho são as centenas de alunos e de profissionais e amadores de Teatro que «passaram pelas suas mãos», e que continuarão a ser um testemunho vivo da sua capacidade única para lançar as sementes.

Ministro da Cultura envia nota de pesar

O Ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, lamenta profundamente a morte do professor José Silva Louro.

Pedagogo e rosto reconhecido e admirado na vida académica e cultural do Algarve, José Louro deixa uma marca indelével em toda uma geração de alunos e artistas portugueses.

Enquanto professor do ensino secundário lecionou em várias escolas do país, onde se destacam os Açores e Faro, cidade onde acabou por se fixar.

Fazia das suas funções de professor uma militante defesa do Teatro e da Literatura, despertando em muitos dos seus alunos a paixão por estas duas áreas artísticas.

Fundou o grupo de teatro universitário SINCERA (Teatro da Universidade do Algarve), a ACTA (Companhia de Teatro do Algarve), foi programador do Teatro Lethes e integrou o Conselho de Administração do Teatro das Figuras.

Esteve ligado a muitos projetos de Teatro na região do Algarve, destacando-se sempre pela sua enorme generosidade colaborando, sempre que lhe era solicitado, como encenador, dramaturgo ou apenas conselheiro de vários projetos artísticos.

Em dezembro de 2016 a Direção Regional de Cultural do Algarve distinguiu-o com o prémio Maria Veleda, destacando a «luta percorrida de José Louro na educação pelas Artes e, em particular, no desenvolvimento do Teatro no Algarve».

Incansável espectador, será eternamente lembrado como «O Semeador de Teatro».

À família, enviam-se as mais sentidas condolências.

Categorias
Destaque


Relacionado com: