Candidaturas à Universidade do Algarve batem recorde dos últimos sete anos

A Universidade do Algarve (UAlg) atinge o número mais elevado de candidatos colocados na primeira fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior dos últimos sete anos.

De acordo com os resultados da primeira fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior de 2017/18, recentemente publicados, a Universidade do Algarve (UAlg) volta a registar um crescimento consolidado na procura por parte dos candidatos, com 1165 colocados, crescendo 8 por cento face a 2016/17 (com mais 90 colocados), estes são os melhores resultados da academia algarvia desde o ano de 2010, ao mesmo tempo que, pelo terceiro ano consecutivo, volta a ultrapassar a fasquia de mais de um milhar de estudantes colocados.

O número total de candidatos de primeira opção (976) cresceu 10 por cento face ao ano passado, sendo o melhor registo desde 2011.

Também a taxa de colocação (83 por cento) acompanha este crescimento, mais 6 pontos percentuais face a 2016, constituindo-se a melhor taxa da presente década.

Os cursos com a totalidade das vagas preenchidas aumentaram face ao ano anterior (mais quatro cursos), sendo assim, são 23 os cursos que ficaram com as vagas esgotadas.

Também é de salientar que das 1405 vagas disponíveis ficaram por preencher 251, registando-se uma forte redução (-28 por cento) face ao ano letivo anterior (-96 vagas sobrantes), sendo este, igualmente, o melhor registo desde 2008.

Universidade algarvia mas cada vez mais de abrangência nacional

Destas 1165 colocações, 59 por cento tem proveniência de uma escola secundária da região do Algarve, com 681 alunos colocados, continuando a afirmar-se como a academia de preferência dos estudantes algarvios.

Em simultâneo, o recrutamento da UAlg cresceu a nível nacional, de lés-a-lés, com 484 candidatos colocados (41 por cento do total) provenientes de todos os distritos do continente e das regiões autónomas, o que representa um crescimento de 17 por cento face ao ano anterior. Destacam-se os distritos de Lisboa e de Beja, ambos com 8 por cento, seguidos de Setúbal com 5 por cento e do Porto, Évora, Santarém e Leiria todos com 3 por cento cada um.

Semana de Acolhimento é novidade e promete mostrar porque vão «estudar onde é bom viver»

A Universidade do Algarve preparou uma inédita semana de acolhimento e matrículas para os novos alunos, de 11 a 17 de setembro, sob o mote do slogan da academia algarvia «Estudar Onde É Bom Viver», promete dar a conhecer um pouco do que torna a vivência universitária na UAlg singular e especial esperando, assim, contribuir para uma rápida e saudável integração dos novos alunos junto da comunidade académica e da cidade que os irá acolher.

Para tal, a organização, a cargo da UAlg, conta com o apoio do município de Faro e do Gabinete de Desporto da Associação Académica da Universidade do Algarve.

Entre os dias 15 e 17 de setembro, os estudantes que escolheram a UAlg terão ao seu dispor um conjunto de atividades culturais, desportivas e lúdicas, todas gratuitas, como passeios de barco pela Ria Formosa, visitas ao centro histórico de Faro ou Open Days de surf, bodyboard, canoagem, vela, SUP e natação.

Logo na manhã do dia 15 terá lugar uma sessão solene de boas vindas no Grande Auditório do Campus de Gambelas, seguida de um almoço na cantina.

Entre os dias 11 e 14 de setembro, em paralelo, decorrerão as matrículas, presenciais ou on-line, bem como a já habitual Campus life da UAlg, que consiste numa grande mostra ao ar livre, na qual estarão representadas todas as valências da universidade e da cidade de Faro.

Desta forma, é possível, num único espaço, tratar do alojamento universitário, bolsas de estudo, passe para transportes públicos, desporto académico, ou receber kits de boas-vindas, com descontos para atividades desportivas, culturais de Faro.

Para mais informações poderão consultar o website www.ualg.pt/pt/content/matriculas-acolhimento-dos-novos-alunos.

Categorias
Destaque


Relacionado com:

  • A Raça Bovina Algarvia: mito ou realidade?

    Quem no Algarve viveu da agricultura antes dos anos 1970, lembra-se certamente de bovinos característicos da região, utilizados para trabalho e carne, e até leite para populações locais. Poderá...
  • Cinefilia

    Não haverá, porventura, ninguém que num dado momento da sua vida não tenha sonhado com o mundo do cinema, fazer parte do mesmo! No que, pessoalmente, me toca, a...
  • Joaquim

    Hoje, o céu está maior. Mais uma estrela brilha por lá. Partiu sereno, tranquilo e com a dignidade com que sempre viveu. Desde muito novo, imaginou e criou. Viu...
  • Turismo: um modelo à procura da centralização?

    A pergunta é legítima e tem plena razão de ser. Nos últimos anos, Lisboa procurou encontrar no turismo uma espécie de galinha dos ovos d’ouro, algo que, com muito...