Associação fundada por residentes estrangeiros apoia crianças desfavorecidas há 18 anos

Coletivo solidário tem uma história consistente de intervenção social mas ainda é pouco conhecido na comunidade portuguesa. Conta com nove membros ativos e 10 voluntários pontuais. Tem atividade em toda a região algarvia e por vezes no Baixo Alentejo.
Wanda Crawford, presidente da Associação de Crianças Carenciadas do Algarve (Association of Care for Children in Need in the Algarve).

A Associação de Crianças Carenciadas do Algarve (Association of Care for Children in Need in the Algarve) foi fundada há 18 anos por Jane Oliphant e um grupo de cinco amigos residentes estrangeiros. Desde 2010 é presidida por Wanda Crawford.

«Quando conheci a Jane, já havia um grupo que recolhia fundos por iniciativa própria através de diversas atividades de caridade. Na altura, eu tinha acabado de perder a minha mãe e de me mudar da América para o Algarve. Estava a fazer o meu luto e em busca de um novo sentido para a vida. Vinha de uma sociedade muito consumista, e naquele momento, apercebi-me que podia fazer algo mais», recorda. Decidiu então começar por contactar várias instituições particulares de solidariedade social (IPSS) como a Fundação António Aleixo em Loulé, a NECI em Lagos, a ASCA em Almancil e o Exército de Salvação em São Brás de Alportel, entre outras, e reuniu-se com os responsáveis.

«Por vezes, encontrámos uma realidade chocante, mas isso deu-nos razões para acreditar que este projeto fazia todo o sentido e tinha realmente de avançar». Desde então, as IPSS sinalizam os casos mais urgentes a necessitar de apoio a esta associação sem fins lucrativos. Cada criança acompanhada pelos voluntários da ACCA tem um relatório individual onde são registadas as intervenções e o progresso. Algumas «necessitam de ser acompanhadas ao longo de vários anos».

A recolha de fundos para esta atividade social é feita sobretudo com recurso a parcerias estabelecidas com empresas e personalidades estrangeiras e algarvias. «Os golfistas, por exemplo, estão entre os nossos maiores apoiantes. Muitos torneios revertem 100 por cento a favor da nossa associação», revela. Também o Conrad Algarve organiza três ações solidárias ao longo do ano: a gala ACCA (no final do verão); um passeio de bicicleta e um mercado de Natal. Também a cadeia Apolónia, o Quinta Shopping e o Algarve Tenis Club contribuem para esta causa.

E como é gasto o dinheiro? Wanda Crawford explica que se destina a financiar duas áreas fundamentais, a saúde e a educação. «Muitas das crianças que apoiamos precisam de terapias ocupacionais, de fisioterapia, terapia da fala, e tratamentos médicos. Muitas necessitam de acompanhamento psicológico. Providenciamos óculos, dentista e contribuímos para que possam fazer desportos, por exemplo, natação».

Um dos programas com maior enfoque desta associação é o «Back to School» (regresso à escola), cuja mentora foi a presidente da ACCA. «Assim que nos apercebemos que há muitas crianças que frequentam a escola sem sequer ter acesso a materiais básicos, este programa foi uma das nossas prioridades. Fornecemos tudo o que necessitam, desde a calculadora, aos cadernos e canetas. Defendemos que a educação é um direito fundamental. É algo que muda a vida de uma criança para sempre», sublinha. Neste percurso, também há finais felizes, de crianças que tiveram uma intervenção precoce, cresceram e demonstraram interesse e apetência para prosseguir os estudos superiores. A ACCA continuou a acompanhá-los. «Sim. Apoiámos seis jovens estudantes universitários, contribuindo para o alojamento, alimentação e propinas. E todos concluíram os cursos. Ficámos muito orgulhosos».

A presidente da associação impressionou de tal forma uma destas estudantes, que esta passou a vê-la como um «role model» (exemplo a seguir). «Dizia-me que queria conhecer os Estados Unidos da América. E assim foi. Hoje é engenheira, casou, tem um filho e está a viver o sonho americano», recorda com carinho.

Outro caso marcante é o de uma criança de cinco anos com problemas de desenvolvimento. «Ajudámos a família a integrá-la num programa de saúde da Fundação Ronald MacDonald nos EUA. Quando regressou ao Algarve já falava, conseguia concentrar-se e a manter contacto visual connosco. Coisas impensáveis seis meses antes. Foi um grande progresso que nos deixou muito contentes», recorda. Também o caso de Rosa foi tocante. «Precisava de uma operação, pois encontrava-se numa situação de vida ou morte. Depois da cirurgia, e apesar de ter de ser alimentada através de tubagem, hoje é uma criança ativa e a intervenção permitiu melhoras significativas na sua qualidade de vida».

Também o programa «Angel» se tem revelado um sucesso. «No Natal, fazemos questão que nenhuma criança carenciada passe a época festiva sem receber pelo menos um presente. Começámos por atribuir 500 prendas no primeiro ano, mas no ano passado, atribuímos cerca de 2000».

Wanda Crawford começou a carreira na indústria da moda onde trabalhou como modelo. Aos 18 anos, optou por formar-se em gestão financeira. Continuou a trabalhar no sector, mas fundou a sua própria empresa de seguros e consultadoria. «Vendi o meu negócio e decidi vir para Portugal de férias com a minha irmã. Apaixonei-me pelo país», recorda. Hoje é a proprietária da loja de mobiliário «Casa Curiosa», localizada em Almancil (Troto).

Na Páscoa, a ACCA organizará mais uma iniciativa solidária de angariação de fundos. Os leitores interessados em colaborar ou conhecer melhor o trabalho desta associação, têm ao dispor o contacto 919 617 995.

Categorias
Destaque


Relacionado com: