Apesar do verão «extremamente seco» não faltará água nas torneiras do Algarve

Em Portugal continental, o verão de 2017 (junho, julho e agosto) classificou-se como quente e extremamente seco, segundo os últimos dados do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Em relação à situação de seca meteorológica, em junho, 80 por cento do território em seca severa (72,3 por cento) e extrema (7,3 por cento). No mês de julho, 79 por cento do território em seca severa (69,6 por cento) e extrema (9,2 por cento). Já no passado mês de agosto, 60 por cento do território estava em seca severa (58,9 por cento) e extrema (0,7 por cento).

Questionada pelo «barlavento», Teresa Fernandes, porta-voz da empresa Águas do Algarve, confirmou que as barragens da região ainda não apresentam níveis preocupantes.

«A Sotavento os níveis das barragens estão equilibrados, com cerca de 70 por cento de volume útil. Comparativamente, com a Barragem de Odelouca, os níveis estão um pouco mais baixos, a 30 por cento de volume útil, no entanto, e considerando as suas dimensões, o facto de em caso de necessidade pudermos recorrer às captações subterrâneas de Vale da Vila e Banaciate, por exemplo, podemos dizer que, atualmente, não há motivo para preocupações a nível da garantia do abastecimento público».

No entanto, «nunca é demais recordar, da necessidade constante para que os consumidores adotem hábitos de consumo sustentáveis, e consequentemente façam uma utilização eficiente da água».

Este foi o sexto verão mais quente desde 2000 (e o nono mais quente desde 1931) com o valor da temperatura média de 22,70º centígrados, 1,43° acima da média. Desde 1931, seis dos 10 verões mais quentes ocorreram depois do ano 2000, sendo o de 2005 o mais quente em 87 anos. Este verão, o valor médio da temperatura máxima do ar foi o terceiro mais alto desde 1931 (30,22°), 2,59° acima da média.

O verão de 2017 foi o terceiro mais seco desde 2000 (depois de 2005 e 2016) e o sétimo mais seco desde 1931. Os valores da quantidade de precipitação, cerca de 23 mm, correspondem a cerca de 40 por cento do valor médio. Este ano, aconteceu o terceiro junho mais quente desde 1931.

Os dados relativos à monitorização das barragens são atualizados todas as semanas, à sexta-feira, e disponibilizados no website da empresa (http://www.aguasdoalgarve.pt/).

Categorias
Destaque


Relacionado com: