Academia Rolear quer ser maior empresa de formação a sul do Tejo até 2020

Desde 2013, entidade formadora com sede em Faro já realizou 125 cursos e certificou 1200 profissionais. João Rita, 33 anos, gestor de formação, explicou ao «barlavento» que a meta é tornar-se na maior empresa de formação privada no sul até 2020.

barlavento: Como surgiu a Academia Rolear?
João Rita:
O grupo Rolear desde há muitos anos que desenvolve o seu trabalho em áreas de negócio dedicadas à construção e energia, venda de serviços, materiais e desenvolvimento de soluções técnicas. Por isso, questionámo-nos: porque não vender conhecimento também? Na verdade, verificámos que existia e ainda existe uma lacuna. Não havia oferta de formação consistente no Algarve nestas áreas. Fizemos o processo de certificação da nossa academia e começámos as formações em setembro de 2013 com cursos criados de raiz por nós.

Complementa a oferta do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP)?
As formações que desenvolvemos não assentam em referenciais de formação como as do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) ou as do Catálogo Nacional de Qualificações. Muitas delas estão distantes daquilo que o formando verdadeiramente procura. Na Academia Rolear contamos com um corpo técnico multidisciplinar que anda no terreno todos os dias e sabe quais são as lacunas que existem hoje no mercado de trabalho. Com base na nossa experiência, criámos formações que interessam às pessoas. E que são dadas por formadores que percebem mesmo o que estão a ensinar, desde a teoria à prática. E mais: há uma forte componente de execução em contexto de formação.

Que tipos de formação dispõe?
Existem três tipos de formação: as agendadas, as exclusivas e as à medida. A formação agendada vem do plano anual que elaboramos e está calendarizada. Já a exclusiva consiste em formações do nosso portfolio que disponibilizamos em específico para alguns clientes. Já as formações à medida são aquelas que temos possibilidade de adaptar ou criar em função das necessidades do cliente. Por exemplo, sob solicitação, podemos organizar um curso de sistemas fotovoltaicos combinado com um de solar térmico. Proporcionamos ainda consultoria organizacional que serve sobretudo para dar resposta a micro e nano empresas que têm grandes conhecimentos técnicos, mas que têm lacunas em termos de gestão e que assentam em dificuldades práticas, por exemplo, sobre legislação.

Qual é o perfil do formando que vos procura?
Varia muito. Até agora, o mais novo tinha 17 anos e o mais velho 74 anos. Mas quem mais nos procura é o técnico já em atividade nas áreas da canalização, eletricidade, ar condicionado ou energias renováveis e que pretende aprofundar conhecimentos ou alargar o seu espetro de intervenção. Há também quem procure uma reconversão profissional. Temos iniciantes, que terminam a escola e que querem aprender estas áreas. Por outro lado, temos cerca de dez formadores e todos fazem parte do corpo técnico do grupo Rolear. São pessoas muito experientes que trabalham todos os dias em cenários reais e são por isso, atualmente, as pessoas mais especializadas nestas áreas em Portugal.

O que é que vos diferencia?
Em Portugal, a formação ainda é mal vista porque durante muitos anos foi obrigatória ou financiada e, regra geral, tornou-se aborrecida, monótona e pouco enquadrada com o que as pessoas necessitavam. Sempre que lançamos um curso novo sabemos que este tem obrigatoriamente de corresponder às necessidades de quem vem aprender. Isto requer não só formadores capacitados com a mesma linguagem de terreno, como execução prática nos cursos. Destacamo-nos por não colocar resultados financeiros à frente da qualidade. Temos formações com nove pessoas e dois formadores. No entanto, há entidades que organizam cursos com 18 formandos e um formador. Aqui, organizamos turmas de 6 a 12 pessoas no máximo. Respeitamos o investimento de tempo e dinheiro que as pessoas fazem.

As empresas algarvias apostam na formação dos seus quadros?
Há quem frequente as nossas formações porque as entidades patronais querem investir na formação dos seus colaboradores. Mas ainda é uma área por explorar. A formação profissional não pode continuar a ser vista como uma «obrigação legal». A fraca qualidade das formações no mercado contribui para a mentalidade de que «o importante é ter o certificado afixado na parede e o relatório da ACP com as 35 horas de formação obrigatória». Só se pode mudar mentalidades quando as empresas de formação apostarem em maiores níveis de qualidade.

A Academia tem protocolos e parcerias?
Sim. Os trabalhadores das empresas com quem temos protocolo ou municípios têm condições especiais para a inscrição nos nossos cursos. Fizemos propostas de colaboração a praticamente todos os municípios algarvios, com condições especiais para os funcionários. Chegam-nos vários formandos propostos pelos municípios ou autofinanciados. Neste momento, temos protocolo com a Câmara Municipal de Lagoa, Albufeira e Odemira, mas estamos abertos a novas parcerias para formar mais profissionais.

Quais os objetivos para o futuro?
O nosso grande objetivo a médio prazo é em 2019-2020 sermos a maior empresa de formação privada abaixo do Tejo. Acho que temos toda a capacidade para nessa altura, sermos apontados como a maior empresa de formação nos distritos de Faro, Beja e Évora. E não nos limitarmos só a estas zonas. Os nossos objetivos são trabalhar mais junto das empresas, dar a conhecer que existimos e temos uma oferta formativa vasta. Ao todo possuímos pelo menos oito áreas certificadas. Outro objetivo é também solidificar a formação à distância, iniciada há cerca de um ano.

Academia Rolear é para «todos os que queiram aprender»

João Rita, gestor de formação, sublinhou ao «barlavento» que a Academia Rolear está aberta e disponível para ensinar «todos os que queiram aprender». Já receberam formandos do Algarve até Viseu, Mirandela ou Açores. Os cursos abrangem áreas tão distintas como Energias Renováveis, Eletricidade e Eletrónica, Refrigeração e Climatização, Distribuição de Gás, Segurança de Pessoas e Bens, Desenvolvimento Organizacional, Gestão Financeira e Administrativa, Marketing, Publicidade e Vendas, e até Tecnologias de Informação.

Cursos mais procurados

«Eletricidade para não eletricistas» é um dos cursos mais procurados. Consiste numa formação de 24 horas em quatro dias e custa 200 euros. «Diagnóstico e reparação de avarias de Ar Condicionado» é outro sucesso. Dura 22 horas e realiza-se em cinco dias. Também os cursos de «Instalação de Ar Condicionado» ou de «Sistemas de Fotovoltaicos» são muito procurados.

Aprendizagem à distância é mais-valia para formandos

A Academia Rolear dá formação à distância em duas modalidades. Uma é a e-learning, totalmente feita à distância. É o caso do curso de «sistemas fotovoltaicos» ou o «profissional de refrigeração». A outra vertente é a b-learning, divide-se em componente teórica à distância e presencial prática, como o curso de «manuseamento de gases fluorados». Neste momento estão abertas inscrições para «Sistemas Solares Térmicos» em sistema de b-learning, «Refrigeração», «Ventilação, Dimensionamento e Construção de condutas de Ar Condicionado» e «Programação de Autómatos», que iniciam em novembro.

Categorias
Destaque


Relacionado com: