Mercado Municipal de Silves «Fora d’Horas» no Verão

E se quisesse fazer as compras da carne, peixe, fruta e legumes, a produtores locais durante a noite? Em Silves já é possível. Nos dias 7 de junho, 5 de julho e 9 de agosto o mercado municipal abre as portas das 19 horas à meia-noite .

Tudo começou com o projeto final de mestrado da designer de comunicação Alexandra Santos. «Durante anos a minha mãe vendeu neste mercado. Já então, todos se queixavam das fracas vendas. Pensei o que poderia fazer enquanto designer para ajudar, pois queria retribuir à terra onde nasci e onde vivo» explica ao «barlavento».

Ainda no âmbito da sua formação, entrevistou todos os vendedores das bancas sobre quais os problemas do mercado e que sugestões tinham para os resolver. «Cheguei à conclusão que o mercado estava envelhecido em termos de vendedores e consumidores e que para a sua revitalização teria de dinamizar uma ação focada numa faixa etária mais jovem, entre os 20 e os 45 anos».

Outra das conclusões foi que «muitas pessoas não frequentam o mercado por incompatibilidade de horários. Entre as 8 e as 15 horas, quando está aberto, a maioria trabalha e não pode realizar ali as suas compras», revela.

A vontade de experimentar novas áreas, levou Alexandra Santos a explorar «o design social e comunitário», e a investigar melhor a dinâmica dos mercados. Surgiu a ideia de abrir portas, excecionalmente à noite e com uma nova atratividade. «Os mercados são polos de gastronomia mas também são lugares de comunidade e devem ser explorados desse modo».

A Junta de Freguesia de Silves apoiou a ideia e o projeto avançou. Pelo menos no papel, pois as resistências foram muitas por parte dos vendedores, cuja faixa etária é, em média, de 70 anos. «Oh menina… eu não vendo de dia quanto mais de noite», foi a frase mais ouvida por Alexandra Santos, enquanto tentava explicar a iniciativa. «Se não fosse o presidente da Junta, talvez tivesse desistido. Mas ele até se ofereceu para ir buscar alguns vendedores a casa nessa noite». «Muitos são idosos e já não conduzem. São pessoas que se deitam muito cedo e provavelmente nunca antes participaram num mercado até à meia noite». No final, conseguiram convencer 75 por cento dos trabalhadores do mercado, a abrir as bancas por uma noite.

Alexandra Santos e Tito Coelho, presidente da Junta de Freguesia de Silves.

tradições alimentares, cultura local e produtos de proximidade. A primeira (a 7 de junho) é dedicada aos «Cheiros» (com as ervas aromáticas e temperos), a segunda (a 5 de julho) aos «Sons» com muitas histórias sobre comida, e a última (a 9 de agosto) encerra o evento com a temática da «Visão», dedicada à gastronomia e à apresentação da comida.

Tito recorda com carinho uma frase que ouviu no ano passado: «há mais de 30 anos que aqui vendo e nunca vi o mercado com tanta gente», disse-lhe uma das vendedoras que aceitou o desafio. «É muito gratificante», relembra o autarca. «A iniciativa no ano passado superou as nossas expetativas em 200 por cento. No dia seguinte ninguém falava de outra coisa que não fosse o Mercado Fora d’Horas!», sublinha Tito Coelho.

Este ano, a bitola está ainda mais alta. «O evento passa de uma para três noites. Antigamente os mercados realizavam-se à quarta-feira e ao sábados», calendário que Alexandra Santos quer honrar.

«Os Cheiros»
A primeira noite, a 7 de junho, é dedicada aos «Cheiros». Entre as 19 horas e a meia-noite o «Mercado Fora d’Horas» promove diversas atividades, desde exposições, workshops sobre plantação e uso de ervas aromáticas, agricultura biológica, tertúlias, showcookings e música ao vivo. Haverá ainda lugar para animação de rua, uma zona lounge e uma zona vigiada com atividades para crianças.

Mercado de Silves requalificado em 2018
Tito Coelho, presidente da Junta de Freguesia de Silves. partilhou em exclusivo com o «barlavento» as maquetas daquele que será o novo Mercado de Silves já em 2018. «As obras de remodelação devem avançar já no próximo ano. Terá uma frente e exterior completamente reabilitados. Na zona exterior queremos investir numa frente limpa de carros, com esplanadas e amplos chapéus-de-sol. O edifício será ainda contemplado com uma mezzanine». O projeto já está elaborado e «até já tem fundos de apoio garantidos» mas está dependente «da chegada do dinheiro», pelo que o autarca não avança ainda estimativas do valor a investir ou prazos de execução.

Categorias
Cultura


Relacionado com: