Fungo Azul grava novos sons algarvios

A associação Fungo Azul completou mais uma fase de recolha do Arquivo Sonoro Paisagístico do Algarve (ASPA). Segundo Carlos Norton, mentor da iniciativa, em 2016 foram gravadas amostras em todos os concelhos algarvios. No entanto, algumas áreas ficaram de fora, pelo que houve necessidade de avançar com uma segunda ação, no último trimestre de 2017, em zonas remotas da serra algarvia, muitas vezes, sem acessos rodoviários. O arquivo soma agora 200 ficheiros, à média de uma gravação por cada 25 quilómetros quadrados. Abrange sons das praias, serra, paisagens urbanas e zonas rurais, com ou sem presença humana. Com esta segunda fase concluída, a Fungo Azul completa o objetivo de gravar praticamente toda a região e todos os concelhos. O projeto, contudo, não termina agora. O próximo desafio é acrescentar amostras do património imaterial, a memória sonora do quotidiano auditivo algarvio. De novo, este projeto contou com o apoio da Direção Regional de Cultura do Algarve. As gravações podem ser acedidas de forma livre no website do projeto (fungoazul.wixsite.com/fungoazul/aspa).

Categorias
Cultura


Relacionado com: