A Páscoa explicada em novo livro para todos

O historiador algarvio José António Martins apresenta o seu mais recente livro ««Páscoa. Origens. Significado. Tradição» hoje, sábado 15 de abril, às 16 horas, em Barão de São João, Lagos, na Feira do Folar e do Artesanato.

A obra procura «dar a conhecer aspetos menos conhecidos e fazer luz sobre um tema que se considera haver pouco ou nada mais a acrescentar. Na verdade, a Páscoa vai muito além das questões religiosas específicas, tanto para as comunidades cristãs como para as judaicas», explica ao «barlavento» o historiador José António Martins.

«Em Portugal não existe uma publicação que associe a história e a tradição. Os livros que se conhecem versam apenas duas tendências: o aspeto ligado à religião ou o da lenda. A minha publicação une o que se conhece, com aquilo que diferencia a celebração, tanto em Portugal, como em alguns continentes», adianta. «Até ao momento não existia esta síntese. Doravante, o público terá a oportunidade de ler uma compilação que une todos os pontos relacionados com a origem, o significado e a tradição associada à Páscoa».

José António Martins sublinha, contudo, que apesar da sua formação religiosa, «escrevi de forma imparcial. Transmito aos leitores o que encontrei, e mesmo que termine o estudo com uma mensagem de inspiração católica, a mesma é transversal a toda a humanidade, independentemente de ter ou não raízes» na fé. Questionado sobre se descobriu alguma particularidade algarvia nesta quadra, o autor revela que «em 1596, aquando do saque a Faro pelas tropas do Conde de Essex, um conjunto de homens da freguesia de São Brás de Alportel, pegou em paus e afugentou os invasores. Nasceu, assim, aquilo que viria a ser a Procissão das Tochas».

E «fiquei a saber que, no século XV, se principiou a Procissão do Compasso no norte de Portugal, que se generalizou a todo o país, na qual os padres das paróquias visitavam as casas e as famílias lhe ofereciam bolos, e naturalmente os folares, que eram enfeitados com flores. Aqui no Algarve têm ovos (no Barlavento) e entrançados de mel (no Sotavento)». No que toca aos créditos fotográficos e às ilustrações, o livro conta com as colaborações de Francisco Castelo (folares e amêndoas) Ingeborg Elisabeth Dillner (ovos pintados) e Tolentino de Lagos (ilustrações alusivas a Jesus Cristo). Tratando-se de uma edição de autor, só foi possível graças ao apoio financeiro de várias entidades que patrocinaram os custos, estando identificadas num marcador de leitura.

«Pena é que a nível das 40 juntas de freguesia do Algarve, apenas cinco (quatro de Lagos) tenham respondido aos meus pedidos de apoio. Das mais de 200 câmaras municipais do país contactadas, apenas cinco responderam», lamenta. Durante a apresentação, será feita uma degustação do folar de Barão de São João, uma receita local com mais de 100 anos. José António Martins já tinha editado um outro trabalho subordinado à época natalícia.

Categorias
Cultura


Relacionado com: